AtivismoTransformação

A tragédia aquífera de Flint e o poder do ativismo digital orientado localmente


Créditos da imagem: Tracy Le Blanc via Pexels.


Na segunda parte de uma série de quatro blogues (publicada pela primeira vez na Global Policy), que busca estimular novas formas de pensar sobre o ativismo digital, Nina Newhouse e Charlie Batchelor (alunos da London School of Economics – LSE), usam a estrutura do Novo/Velho Poder de Timms e Heimans para perguntar como os ativistas podem usar a internet para alcançar novas formas de poder e, finalmente, fazer a mudança acontecer.


Os confinamentos nacionais levantaram uma série de questões sobre como “fazer ativismo” quando estamos fisicamente afastados uns dos outros – mas para comunidades pobres e marginalizadas em todo o mundo, essas questões existiam muito antes da pandemia…


Contexto: a crise aquífera de Flint


A crise aquífera de Flint foi uma emergência de saúde pública que começou em 2014, quando, numa tentativa de cortar custos, o governador do estado de Michigan, Rick Snyder, tomou a decisão de mudar o abastecimento de água da cidade do Lago Huron para o rio Flint. No ano seguinte, os moradores reclamaram do sabor, cheiro e cor da água, com muitos começando a apresentar problemas dermatológicos, principalmente entre as crianças. Até as fábricas de automóveis reclamaram que a água era tão corrosiva, que danificava as peças do carro.


Eventualmente, mais de um ano após os moradores terem bebido e se lavado com a água, os cientistas conseguiram confirmar a presença extremamente alta de chumbo no abastecimento da cidade. A Organização Mundial da Saúde define qualquer coisa acima de 5 000 partes por mil milhão de chumbo como resíduo perigoso para a vida humana; descobriu-se que a água de Flint continha 13 000 partes por mil milhão. No total, estima-se que 6 a 12 000 crianças foram expostas ao envenenamento por chumbo.


Flint tem sido uma das cidades mais pobres da América. Muitos dos seus problemas socioeconómicos são o resultado da rápida desindustrialização na década de 1960 e de décadas subsequentes de conservadorismo fiscal e subinvestimento. Além disso, dado que 57% dos residentes de Flint são afro-americanos, a crise é um poderoso exemplo de racismo ambiental e revela as duras realidades do capitalismo racial americano. Como as deficiências da COP26 deixaram claro, e como Flint evidenciou, os mais pobres e marginalizados do mundo estão a sofrer desproporcionalmente o peso dos danos ambientais, enquanto as suas vozes e exigências estão a ser ignoradas pelas instituições essenciais para a sua sobrevivência.


Dados esses precedentes, a cobertura jornalística nacional e internacional da crise de Flint foi previsivelmente insensível. Quando finalmente aconteceu, a cobertura mostrava Flint como uma causa perdida: uma vítima inevitável do crime, corrupção e pobreza. Os artigos de notícias continham quase nenhuma perspetiva dos moradores e, em vez disso, eram principalmente visões de funcionários da cidade e fontes do governo – os responsáveis ​​​​pela crise. Os cidadãos foram, assim, relegados à posição de vítima na sua própria história e negado o direito às suas próprias perspetivas e contribuições.


O que Flint significa para um ativismo dos marginalizados


Para os moradores de Flint, a forma como eram retratados nos meios de comunicação social importava quase tanto como a qualidade da sua água: enquanto o mundo visse a crise pelos olhos de seus perpetradores, as suas causas estruturais permaneceriam incontestadas.


Em resposta a esta cobertura da mídia, portanto, e ao seu discurso dominante de que a água “não era assim tão má”, milhares de moradores de Flint foram às redes sociais para mostrar ao mundo como era realmente a vida em Flint. Eles compartilharam testemunhos usando o hashtag ‘FlintFwd’ e um grupo no Facebook chamado ‘Humans of Flint’ para exibir e celebrar os aspetos positivos da vida em Flint. Dessa forma, eles resistiram ao rótulo de vítimas e esculpiram uma nova narrativa para si mesmos como pessoas com esperança, amor e felicidade como quaisquer outras.


Isso permitiu que eles preenchessem a lacuna entre a sua experiência e como ela estava sendo representada nos meios de comunicação social. Raramente, numa crise, as vítimas têm tal oportunidade de comunicar a sua humanidade e influência.


Então, o que isso significa para um ativismo dos marginalizados? Mais do que qualquer outra coisa, o ativismo formou uma espécie de narrativa alternativa liderada por cidadãos e que resistiu ao poder da grande mídia de controlar a narrativa. Plataformas de redes sociais como o Twitter tornaram-se, assim, sites críticos para a construção coletiva de contra-narrativas e re-imaginação de identidades de grupo.


Como resultado, em Flint, os jornalistas já não eram mais os guardiões do que é e do que não é notícia. Em vez disso, ao aproveitar o potencial exclusivamente conectivo e acessível das plataformas online de redes sociais, a comunidade de Flint foi capaz de construir a sua própria verdade, recuperar algum poder na forma como são retratados e contribuir significativamente para as discussões globais. É importante ressaltar que o mesmo foi observado para comunidades marginalizadas em todo o mundo: os Inuit no Canadá, por exemplo, estão a usar tecnologias digitais para redefinir noções de vulnerabilidade climática com base no seu próprio conhecimento e experiência.


Além disso, o tipo de ativismo digital exibido em Flint é uma forma vital de memória cultural e importa consideravelmente documentar momentos de crise pela perspetiva dos cidadãos. As etnografias de hashtags servem essencialmente como testemunhos digitais, vitais para alcançar a justiça.


Isso também não se limita a desastres ambientais: em vez disso, “o aumento do uso e disponibilidade dessas tecnologias forneceu às populações marginalizadas e racializadas novas ferramentas para documentar incidentes de violência sancionada pelo Estado e contestar as representações da mídia de corpos racializados e comunidades marginalizadas”. Pense nos recentes assassinatos de George Floyd, Michael Brown e Breonna Taylor por polícias dos EUA. Aqui, a raiva e o protesto resultantes, e qualquer reforma significativa que ainda possa ocorrer como resultado, aconteceu porque as redes sociais permitiram que o fluxo de informações, contas pessoais e jornalismo cidadão se espalhasse como fogo: compartilhado e amplificado infinitamente. Sem ele, os assassinatos teriam ocorrido fora da vista e da mente.


O que a estrutura do Novo/Velho Poder traz para o caso?


O ativismo digital canalizado pelo Novo Poder tem sido frequentemente criticado por não gerar uma adesão significativa entre os seus participantes (ver Gladwell). Flint prova, pelo contrário, que o Novo Poder pode ser extraído diretamente e influenciar as relações materiais da vida cotidiana. Ao contrário de outros movimentos digitais, como BLM e MeToo – movimentos chapéu que mantinham o mesmo significado em todos os lugares e comunidades – o ativismo online de Flint estava enraizado num sentido distinto e específico de lugar e de identidade coletiva que era único à experiência material de viver em Flint. Dessa forma, pode ser visto como uma extensão online do ‘mundo real’, e uma forma de potencializar os laços entre as pessoas que ali vivem. Os usuários do Twitter de Flint, portanto, não estavam simplesmente a fazer tweets sobre Flint, mas a participar da sua libertação de uma maneira muito real.


O mundo online também oferece proteção. Não é coincidência que aqueles com maior probabilidade de sofrer brutalidade policial, ou de serem perigosamente mal representados pela mídia, sejam os mais propensos a se envolver em ativismo digital (a proporção de americanos negros que usam o Twitter supera os usuários brancos em 6%). O mundo online forma, assim, um local de resistência onde o alcance dos agentes tradicionais de poder é neutralizado e onde as pessoas marginalizadas, em grande parte sem voz nas redes de comunicação social tradicionais e nos fóruns políticos, podem ampliar a sua voz e canalizar o seu sentimento coletivo.


A estrutura do Novo/Velho Poder, então, é importante porque nos permite ver a importância crucial do potencial de conexão da Internet. O movimento foi claramente liderado pelo Novo Poder: sendo de acesso aberto, sem dono e criado pela multidão, tornando-se muito mais do que a soma das suas partes. A contribuição coletiva de milhares de cidadãos e o poder epistêmico e real que ela produziu é o Novo Poder por excelência. Deixou as organizações do Velho Poder, como a mídia convencional, a administração presidencial e o governo local, impotentes para impedir a contra-narrativa que refutou a sua representação de Flint. O povo de Flint implicou o mundo como testemunha da sua crise e reivindicou a sua autoridade e influência no processo. Claramente, quando certos valores (participação, coletivismo, adaptação) são adotados por meio de mecanismos digitais, o Velho Poder anteriormente imutável pode ser desafiado.


Conclusão


O ativismo digital em Flint teve grande alcance. Aqueles que usaram as redes sociais revelaram ao mundo a sua própria verdade, desafiando a sua construção pelos perpetradores da crise da água e formando conexões poderosas no processo. O governador Synder e vários ex-funcionários foram acusados ​​no ano passado pelo procurador-geral dos EUA por negligência criminosa na crise – um resultado improvável não fosse a tempestade online criada pelos moradores.


Apesar de tudo isso, porém, os moradores ainda enfrentam um futuro incerto com complicações de saúde de longo prazo e poucos sinais de remuneração financeira; muitos ainda dependem de água engarrafada. Nesse sentido, somos forçados a perguntar: quão bem-sucedido é este episódio de mudança? Esta é uma deficiência previsível do Novo Poder? O que o movimento poderia ter alcançado se tivesse representação nos corredores do poder – poderia ter traduzido o movimento online em legislação mais formal, projetos de lei ou ação no Senado?


Este artigo foi publicado originalmente pelo blogue From Poverty to Power. Leia o artigo em inglês aqui. A tradução é da responsabilidade da Oficina Global.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *

Enviar